CEPAL chama mulheres a se emancipar política, física e economicamente

As mulheres devem buscar a emancipação e a autonomia política, física e econômica, afirmou a secretária-executiva da Comissão Econômica para a America Latina e o Caribe (CEPAL), Alicia Bárcena, durante uma apresentação no Fórum Forbes Mulheres Poderosas 2017, realizado na Cidade do México.

Em seu discurso, a representante do organismo regional das Nações Unidas afirmou que as mulheres da região têm de alcançar a igualdade, mas com titularidade de direitos, “não por ter mais dinheiro ou menos, nem por ter mais ou menos meios, nem apenas por vontade individual”.

Segundo ela, a autonomia econômica das mulheres é fundamental, pois representa a verdadeira emancipação. No entanto, advertiu ela, na região a pobreza “têm o rosto de mulher”.

Ela lembrou que na América Latina e no Caribe 75 milhões de pessoas sofrem com a extrema pobreza, enquanto 185 milhões vivem na pobreza.

A isso se soma a ampla diferença salarial entre homens e mulheres, que ainda é de 18% na região. “Isso não é justo. Temos que lutar para que as mulheres recebam o mesmo salário que os homens pelo mesmo trabalho”, disse.

Em termos de autonomia física, Bárcena enfatizou que o direito sexual e reprodutivo é essencial. “Trata-se de decidir sobre nós mesmas; nosso corpo, nosso território”, declarou.

Ela completou que a gravidez adolescente deve ser abordada de forma eficaz, sendo esta uma das expressões mais profundas da desigualdade, afetando principalmente as populações mais pobres das sociedades latino-americanas e caribenhas. Ela pediu também o fim da mortalidade materna e a divulgação de seus indicadores.

Bárcena advertiu que “o grande flagelo existente em nossa região ainda é a violência contra as mulheres”, e completou que, apesar de múltiplas iniciativas, continua sendo um grave problema não apenas nos domicílios mais pobres como também nos de alta renda.

Quanto à tomada de decisões, as mulheres precisam de mais participação nas hierarquias, maior acesso a ativos financeiros e à propriedade de terra, disse. Segundo ela, a presença das mulheres nos âmbitos de poder ainda não supera os 30%.

Bárcena lembrou que a igualdade de gênero é um eixo da Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Segundo ela, há três eixos indispensáveis da política que devem ser aplicados para alcançar a igualdade para as mulheres: a redistribuição de renda e do tempo, que considere a economia do cuidado; romper o silêncio estatístico para visibilizar a situação das mulheres; e finalmente, impulsionar políticas públicas deliberadas para resolver as desigualdades de gênero.

“Acredito que a aposta é em um novo estilo de desenvolvimento, uma tarefa política. É necessário uma direção clara e mudar a conversa. A igualdade é o horizonte, e devemos passar da cultura do privilégio para a cultura da igualdade”, concluiu.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s