Hora de reagir

Por Mino Carta – Da Revista CartaCapital

Não há como saber se as flores aos finados são todas merecidas, é certo, porém, que os homenageados tiveram dias bem menos atormentados do que os nossos. Nunca o Brasil viveu tempos iguais aos desencadeados pelo golpe de 2016, nem mesmo nos 21 anos de ditadura.

Explico.

Os golpistas de então armaram uma arapuca para si mesmos, presas da típica hipocrisia nativa, inventaram um sistema eleitoral e até o AI-5 mantiveram o Congresso em atividade, fecharam-no para reabri-lo mais tarde. Houve oposição valente, e o Ato Institucional foi sua consequência. Daí em diante, as cassações multiplicaram-se, nem por isso a resistência parlamentar arrefeceu.

Houve também a resistência armada dos inconformados irredutíveis, e o resultado foram mais de 400 assassínios e a tortura de milhares. Mas houve também a sedimentação da esperança de muitos de que algum dia finalmente raiaria o sol da liberdade.

E resistência houve, extraordinária, com as greves do ABC, de 1978, 79 e 80, e o surgimento da liderança de Luiz Inácio da Silva, dito Lula, à testa de uma nova leva de sindicalistas habilitados a substituir os pelegos. Vale dizer, ainda, que os militares souberam impor seu nacionalismo à casa-grande, que os convocara para o golpe de 1964. Com isso, ao menos, o País não sofreu o risco do entreguismo.

A situação atual nasce de uma hipocrisia infinitamente mais descarada do que aquela que orientou a ditadura, com o desplante de se vestir de legalidade. Poderia, no entanto, ser de outra forma se o golpe de 2016 foi desfechado pelos próprios poderes da República?

Falsos os motivos do impeachment, Constituição rasgada sem a mais pálida interferência dos guardiões da lei, enquanto o Legislativo empossava o presidente ilegítimo, herói inconteste da corrupção generalizada.

Objetivo do golpe: tornar Lula inelegível graças à Inquisição do Santo Ofício de Curitiba, pronta a condenar sem provas o ex-presidente com a bênção de Tio Sam. Entende-se: tal é a garantia de transformar o Brasil em Estado mínimo neoliberal, sujeito às conveniências de Washington e do capital estrangeiro.

A venda do pré-sal, que avalizava o futuro do País, já está selada, de sorte a preparar a privatização da Petrobras, da qual se tirou o bem maior. Na pauta, também, a privatização da Caixa Econômica Federal, e isso tudo a preços de liquidação.

A reforma trabalhista, que nos devolve ao passado remoto, entra em vigor em novembro para alegria da Fiesp no mesmo instante em que os ruralistas se regozijam com as chances oferecidas à sua vocação escravagista.

A intolerância reina em todos os aspectos mais retrógrados, a confirmar a medievalidade verde-amarela. De fato, a casa-grande consegue se afirmar da maneira inatingida com a ditadura. Tudo se faz para favorecer ricos e super-ricos, em nome de um internacionalismo que agrada apenas ao capital.

Haveria de ser a hora da indignação e da revolta, mas, diante da inércia do povo espezinhado, da resignação dos trabalhadores, da ausência de lideranças, sobra é a desesperança. Permito-me insistir na ideia formulada na edição passada, a Operação Misericórdia pelo Brasil, para convocar os nossos leitores à tarefa de conscientizar todos aqueles ao seu alcance.

Emprego um verbo antigo, conscientizar, ao recordar a ousadia das “reformas de base” propostas pelo governo de João Goulart. E logo viria o golpe. A almejada conscientização não se deu até hoje e o momento é de impasse. Não há como acreditar nas eleições de 2018, desde que os golpistas não têm candidato, mesmo na ausência de Lula.

A história soletra que,  em situações similares, a única saída foi representada por fortes abalos sociais, povo na rua preparado para a luta se necessário, comandado por líderes determinados. Gostaria de me enganar, parece-me, porém, que carecemos de conscientizadores e conscientizados. Em compensação, mais de 61 mil brasileiros foram assassinados em 2016, ao ritmo de 7 por hora.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s