Região da América Latina e do Caribe é a mais violenta do mundo para as mulheres

Na América Latina e no Caribe, o número de países com políticas nacionais de proteção às mulheres aumentou de 24 em 2013 (74% do total) para 31 em 2016 (94%). No entanto, a região continua sendo a mais violenta do mundo para as mulheres, cenário de partida de um novo relatório sobre o tema produzido por Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e ONU Mulheres, lançado nesta quarta-feira (22) no Parlamento Latino-Americano (Parlatino) com mais de 120 legisladores.

O relatório “Do compromisso à ação: políticas para erradicar a violência contra as mulheres na América Latina e no Caribe” afirma que, apesar de a região ter avançado nos marcos normativos que reconhecem a violência contra as mulheres como um fenômeno social que afeta além das mulheres, suas famílias, comunidades, prejudica o desenvolvimento sustentável e a proteção dos direitos humanos, o problema persiste.

Mesmo diante dos notáveis avanços nos planos de ação nacionais, a região tem as mais altas taxas de violência contra a mulher fora do casamento e a segunda mais alta dentro dele, segundo dados do Observatório sobre Igualdade de Gênero na América Latina e no Caribe, citado no relatório.

O estudo alerta que o número de feminicídios está aumentando, e dois em cada cinco são resultado da violência doméstica. Além disso, cerca de 30% das mulheres foram vítimas de violência por parte de parceiros, e 10,7% sofreram violência sexual fora do casamento, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Para enfrentar o problema, o relatório recomenda abordar os problemas de proteção das mulheres em um nível político mais alto, com mais investimentos, enfoque integral e uma maior cooperação para erradicar a violência contra as mulheres e meninas na América Latina e no Caribe.

O estudo também compila as melhores práticas para a erradicação da violência contra a mulher, identifica temas críticos e propõe ações-chave para obter avanços qualitativos e para superar esse flagelo social de proporções epidêmicas na região.

“É muito importante ver o enfoque da violência contra as mulheres como um fator catalizador para a conquista dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável e a Agenda 2030 em seu conjunto. Além disso, é essencial para a conquista da paz, da produtividade econômica, dos direitos, da justiça e da coesão social”, disse Richard Barathe, diretor do centro regional do PNUD para América Latina e Caribe.

“Esse relatório destaca vários pontos de grande importância: a necessidade de destinar mais recursos, estruturar a resposta e articular melhor o trabalho entre os diferentes atores. Além disso, devemos trabalhar para melhorar a compilação e medição de dados que registram a violência contra mulheres na região”, disse Luiza Carvalho, diretora-regional da ONU Mulheres para América Latina e Caribe.

O documento pede pactos sociais entre os governos, o setor privado e a sociedade civil para envolver todos os atores relevantes; a criação de planos nacionais no nível local e políticas com um enfoque multidimensional; o fortalecimento das ações de reparação às vítimas, especialmente aquelas focadas em seu empoderamento econômico; e o trabalho com os homens, especialmente os jovens, no sentido somá-los como aliados na luta para acabar com a violência contra as mulheres.

O relatório é lançado como parte da campanha “UNA-SE pelo fim da violência contra as mulheres”, que reúne vários organismos das Nações Unidas.

Clique aqui para acessar o relatório completo (em inglês e espanhol).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s