“Brasil vive Estado de Exceção”, diz Prêmio Nobel da Paz

O Estado de Exceção avança no Brasil, denuncia o ativista argentino, Adolfo Pérez Esquivel, Prêmio Nobel da Paz em 1980, após aguardar o dia inteiro uma resposta da Justiça para visitar o ex-presidente Lula. Ele disse à militância do Acampamento Lula Livre, no final da tarde desta quinta-feira (19), que não foi respeitado pelas autoridades brasileiras o direito de Lula receber sua visita.

“Tenho esperado muitos dias até hoje. Estivemos com o superintendente, tratando da visita ao ex-presidente Lula, e a informação que temos é de que foi negado”, explicou Esquivel à militância e à imprensa.

“Isso é grave! Primeiro porque está sendo restringido o direito de Lula receber visitas. E segundo porque evidentemente o Brasil está vivendo um Estado de Exceção”, denunciou o Nobel da Paz.

“Há de pensar que tipo de democracia temos e queremos não somente aqui no Brasil, mas em toda América Latina”, completou.

Esquivel, o teólogo Leonardo Boff e advogados negociaram ao longo de todo o dia a liberação para realizar uma visita de caráter humanitário e de assistência religiosa a Lula. “Mas não permitiram nem a mim nem ao Leonardo Boff”.

Como embarca nesta sexta-feira (20) para Argentina, devido a compromissos, Esquivel fazia questão de visitar Lula ainda hoje. Só não esperava se deparar com as arbitrariedades da Justiça brasileira.

“Não permitirem a nossa entrada foi um desrespeito ao direito de Lula”, criticou o ativista argentino, ao alertar que não é somente ele que vem de fora para visitar Lula, mas que delegações de diversas partes do mundo se organizam para vir ao Brasil.

“Por isso eu peço que pensem que a Justiça é para buscar a verdade, que a Justiça deve buscar o direito e o respeito à pessoa e ao povo, isso é fundamental”, disse o Nobel da Paz.

Segundo ele, mesmo da Argentina, seguirá acompanhando a luta em defesa da liberdade de Lula, preso político na sede da Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, no Paraná, desde o dia 7 de abril.

“Vamos seguir desenvolvendo uma campanha internacional até que Lula tenha a sua liberdade de volta. Lula livre! Muita força, esperança e unidade”, disse, ao encerrar com a leitura da carta que escreveu para ser entregue ao ex-presidente.

“Um forte abraço, irmão Lula.

Tentamos fazer uma visita (junto com Leonardo Boff), porém a Justiça negou a autorização. Apesar dessa atitude discriminatória e violadora de seus direitos, quero dizer que o mundo sabe a verdade e se mobiliza por sua liberdade.

Um forte abraço, muita força e esperança!

Conte com a nossa solidariedade e apoio”

 

Prêmio Nobel para Lula

No acampamento, Esquivel reafirmou mais uma vez para a militância que Lula preenche todos os requisitos para ser premiado com o Nobel da Paz deste ano.

Ele disse que Lula tirou mais de 30 milhões de brasileiros da fome e da miséria, além de ter criado políticas públicas que promoveram dignidade e cidadania ao povo mais vulnerável do Brasil.

O ativista argentino, segundo a receber o prêmio na América Latina, encabeça campanha para indicar o ex-presidente Lula, maior líder popular vivo do continente, ao Nobel da Paz.

Mais de 230 mil pessoas já assinaram o abaixo-assinado que Esquivel encabeçou nos últimos dias. A meta é chegar a 300 mil assinaturas para encaminhar ao comitê do Nobel, que fica na Noruega.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s